Revista Tempo Freudiano


aportadeentrada

A porta de entrada e a clínica psicanalítica

Revista Tempo Freudiano nº 10 - Intervenções de Marcel Czermak
O volume reúne entrevistas e conferências de M. Czermak em torno da questão: como se ensina a psicanálise? Como se aprende a praticá-la? Como assumir aí nossa responsabilidade? Nas duas entrevistas que abrem o volume, Czermak – aluno e colaborador direto de Lacan – fala de seu percurso na psicanálise e na psiquiatria: a reação do meio psiquiátrico e psicanalítico a Lacan, a posição dos analistas em face da instituição analítica, o que foi feito com o legado de Lacan e as transformações atuais na clínica e nas instituições de tratamento. A segunda parte é composta pelas intervenções de Czermak no Rio e em Niterói, em 2012, quando evocou casos de sua própria prática e comentou casos apresentados por outros psicanalistas. A conferência "O que é um fato clínico?" fecha o volume.

capa_big

As metamorfoses do objeto – Clínica da pulsão, da fantasia e da letra

Revista Tempo Freudiano nº 9 - Conferências de Jean-Jacques Tyszler
J.-J. Tyszler é psicanalista e psiquiatra, membro da Association lacanienne internationale. Em 2009, esteve no Brasil para as conferências aqui publicadas. Foram duas abertas: na UFRJ, sobre o objeto da pulsão e o objeto do desejo; e na UFF, sobre a melancolia e a clínica da psicose. E três para convidados: sobre a clínica da neurose; a clínica da criança e do adolescente; e a relação da psicanálise com a cultura. Esses temas foram tratados a partir de várias portas de entrada clínicas, mantendo no centro a questão do objeto. Como fio condutor, a tentativa de responder à questão do que chamamos de imaginário, simbólico e real na clínica.

capa_operacao_3

A operação do significante: o nome, a imagem, o objeto

Revista Tempo Freudiano nº 8
Em nossa experiência comum, as dimensões do nome, da imagem e do objeto estão articuladas, de forma que nomeamos de maneira estável o que aparece em nosso campo perceptivo e referenciamos com segurança o campo da realidade, sem perceber a complexidade dessa operação. A psicose mostra que essa montagem pode se decompor em seus elementos constitutivos e esses termos aparecerem dissociados. É a problemática do reconhecimento e da identificação que está em jogo, colocando a questão do objeto a e de seu velamento na fantasia que organiza o neurótico. Enquanto o psicótico padece da presença desse objeto no real e sem contorno, o neurótico padece de abordá-lo preferencialmente pela via da imagem, do i(a). Com esse mote, psicanalistas brasileiros e franceses se encontraram para a apresentação e discussão dos trabalhos publicados.

publicacao07

O corpo: hipocondria, Cotard, transexualismo

Revista Tempo Freudiano nº 7
Primeira publicação dos volumes da coleção “A clínica da psicose: Lacan e a psiquiatria”, no âmbito da Revista Tempo Freudiano. Esgotados, os volumes foram reeditados em livro, em edições revistas e ampliadas.

publicacao06

Será que podemos dizer com Lacan que a mulher é o sintoma do homem?

Revista Tempo Freudiano nº 6
Seminário de Charles Melman. Este número da Revista Tempo Freudiano traz a íntegra dos três dias de seminário que Charles Melman ministrou no Rio de Janeiro em agosto de 2004. Partindo da pergunta “por que, entre um homem e uma mulher, as coisas não funcionam?”, o autor aborda a conjugalidade, as fórmulas da sexuação, a dimensão do objeto, o desejo, até mesmo a política e a cultura, e o aforismo de Lacan “não há relação sexual” – sempre na referência à clínica psicanalítica. Duas entrevistas concedidas durante sua estada na cidade e uma conferência pronunciada em Estrasburgo na mesma época completam o volume.

publicacao05

A clínica psicanalítica e as novas formas do gozo

Revista Tempo Freudiano nº 5
O Colóquio “Os herdeiros da ciência: a clínica psicanalítica e as novas formas do gozo” reuniu, no Rio de Janeiro, psicanalistas da França e do Brasil para trabalhar em torno de uma questão posta à psicanálise pela contemporaneidade. O progresso científico e o imperativo de suas conseqüências vêm minando as amarras do simbólico e do que sustenta a estrutura da lei para um sujeito. Em face disso, parecem restar apenas a lei positiva (as regras do direito, com o que isso implica de anulação da dimensão do desejo para um sujeito) e o retorno do mais arcaico, o recrudescimento da religião previsto por Lacan. Os psicanalistas foram chamados a intervir dando conta de como essas mudanças estão emergindo em sua experiência concreta, sua clínica e sua prática social. Publica-se a íntegra dos trabalhos e das discussões que se seguiram.

publicacao04

As paranoias

Revista Tempo Freudiano nº 4
Primeira publicação do volume 2 da coleção “A clínica da psicose: Lacan e a psiquiatria”, no âmbito da Revista Tempo Freudiano. Esgotado, o volume foi reeditado em livro, em edição revista e ampliada.

publicacao03

Os fenômenos elementares

Revista Tempo Freudiano nº 3
Primeira publicação do volume 1 da coleção “A clínica da psicose: Lacan e a psiquiatria”, no âmbito da Revista Tempo Freudiano. Esgotado, o volume foi reeditado em livro, em edição revista e ampliada.

publicacao02

O Seminário de Lacan: travessia – A angústia

Revista Tempo Freudiano nº 2
O volume traz os trabalhos que foram apresentados nas jornadas de encerramento da leitura do Seminário "A angústia" e artigos de psicanalistas da Association lacanienne internationale. A leitura direta e sistemática dos Seminários de Lacan é o eixo principal do ensino no Tempo Freudiano. Essa travessia iniciou-se com o Seminário "A angústia" – do qual se pode dizer que é um seminário sobre o objeto a. A angústia, diz Lacan, é o afeto que não engana: é a única tradução subjetiva do objeto a, causa de desejo porque caído do sujeito no encontro com o desejo do Outro. A angústia é o correlato desse encontro e conceito central para toda a problemática da causa, do sujeito, do ato, do desejo do analista e do próprio ensino da psicanálise – temas que são abordados nos trabalhos.

publicacao01

O Seminário de Lacan: travessia – Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise

Revista Tempo Freudiano nº 1
Desde sua fundação, o Tempo Freudiano estabeleceu como eixo permanente e principal de seu ensino a leitura direta e sistemática dos Seminários de Lacan. Este primeiro número da Revista Tempo Freudiano, reúne os trabalhos que foram apresentados no encerramento da leitura do Seminário "Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise" e alguns trabalhos de psicanalistas da Association lacanienne internationale sobre o mesmo Seminário. O significante "travessia" vem denotar que o que se publica aí é o produto de uma passagem, a passagem de cada um pelo texto de Lacan, resultando na abordagem do amplo arco de questões deixadas por este Seminário que marca uma inflexão no ensino de Lacan e que foi escolhido por ele para ser o primeiro a ser publicado.